Ruben, excelente no seu regresso, vence a 1ª mão contra o Trabzonspor

  • Crónica

 

© Daylife (editada)

 

Ultrapassando os percalços, e o tempo perdido durante uma pré-temporada acidentada, o Benfica vai a Istambul decidir a passagem ao play-off da Liga dos Campeões com a confiança em alta. A vitória por 2-0 sobre o Trabzonspor, construída num jogo em crescendo, deixa promessas que apetece rever numa fase mais adiantada da época, e da preparação. Com alguns reforços de Verão a brilhar mais intensamente, a conclusão é a de que, para já, a equipa de Jorge Jesus passou a primeira prova dos nove. E dos novos, também.

Uma entrada dominadora e confiante teve pouca expressão no volume de oportunidades, permitindo à equipa turca ganhar conforto com o passar dos minutos. Mas as substituições de Jesus, depois do intervalo, deram ao jogo um segundo acto, que teve no remate de Saviola ao poste (66 m) o ponto de viragem, no remate vitorioso de Nolito (71 m) o momento libertador. A parábola perfeita do pé esquerdo de Gaitán foi simplesmente a apoteose.

Para o final em crescendo foi decisivo o aparecimento de Aimar em curtos mas fundamentais 15 minutos. Abafado pela marcação de Zokora durante quase uma hora, o maestro argentino recuou no terreno e foi a chave que faltava à ignação encarnada. O passe que deixou Nolito na cara do golo é a assinatura de classe numa vitória que começou por ser conquistada em força.

Reforços... que reforçaram

Se havia expectativa de ver a equipa de Jorge Jesus sentenciar a eliminatória em 90 minutos, o jogo da Luz encarregou-se de demonstrar que elas eram ambiciosas. Não porque o Benfica não tenha melhor equipa do que o adversário, como cedo ficou perceptível. Mas porque os atrasos na chegada de jogadores-chave e na definição do onze fizeram com que a equipa chegue a esta fase num processo de construção, longe de estar encerrado. E isso nivelou os acontecimentos durante bastante tempo.

 

© Daylife (editada)


Mas se o resultado ainda carece de confirmação em Istambul, o jogo, esse, deixou indicadores que podem vir a revelar-se importantes. Desde logo porque, na fase mais problemática, a chama manteve-se acesa com as respostas positivas dos reforços. Eram quatro no onze inicial (Artur, Emerson, Garay e Pérez) e todos eles tiveram oportunidade de arrancar aplausos aos 37 mil espectadores da Luz. O quinto, Nolito, saiu do banco e resolveu. E o sexto, Witsel, fez a assistência para o golo mágico de Gaitán.

Outro aspecto importante foi o regresso de Ruben Amorim à competição, mais de seis meses depois. O lateral-direito defendeu-se, com uma exibição inteligente, e saiu esgotado, aos 64 minutos, permitindo que o recém-chegado (e consagrado) Maxi contagiasse a equipa com uma onda de optimismo que desembocou no 1-0, sete minutos depois.

Sofrer até Aimar sair da cartola

Óbvio que nem tudo foram sorrisos até aí. Com mérito evidente do Trabzonspor, orientado por Senol Gunes, uma velha raposa do futebol europeu. Bem na pressão, a dupla Zokora-Colman só precisou de 15 minutos para interromper a fluidez à circulação inicial dos encarnados, retirando Aimar do jogo. Por outro lado, algumas indecisões de Cardozo impediram que a fase mais conseguida dos primeiros 45 minutos tivesse tradução em oportunidades claras de golo. Isto apesar de Gaitán, logo aos 3 minutos, ter anunciado com um chapéu de 25 metros o que tinha guardado na manga para o final. Foi preciso sofrer, mexer, e tirar Aimar da cartola para chegar lá. Mas valeu a pena.

Três decisões erradas do suíço Stephan Studer: dois penalties a favor do Benfica, num derrube a Cardozo (14 m) e numa mão de Balci (74 m) e um fora-de-jogo aparentemente mal tirado a Mierzejewski, num lance em que este acabou por introduzir a bola na baliza de Artur (28 m).

 

In: Maisfutebol

 

 © Daylife (editada)

 

SL Benfica: Artur Moraes; Ruben Amorim, Luisão, Garay, Emerson; Javi García; Enzo Peréz, Pablo Aimar, Gaitán; Saviola, Cardozo.
Ainda jogaram: Nolito (Enzo Peréz, 54min), Maxi Pereira (Ruben Amorim, 64min), Axel Witsel (Pablo Aimar, 75min).
Golos: Nolito (71min), Gaitán (89min).
Cartões Amarelos: Ruben Amorim (43min), Nolito (74min).
Cartões Vermelhos: -

 

Trabzonspor: Tolga Zengin; Serkan Balci, Giray Kaçar, Arkadiusz Glowacki, Celustka Ondrej; Gustavo Colman, Didier Zokora; Burak Yilmaz, Alanzinho, Mierzejewski; Paulo Henrique.
Ainda jogaram: Aykut Akgün (Alanzinho, 67min), Pawel Brozek (Mierzejewski, 85min).
Golos: -
Cartões Amarelos: Giray Kaçar (21min), Didier Zokora (40min).
Cartões Vermelhos: -

 

  • Avaliações

 

© Maisfutebol (editada)

 

Maisfutebol

Voltou quase sete meses depois e mereceu a confiança do treinador para a lateral direita, posição que já anteriormente desempenhara, ele que é uma espécie de faz-tudo. Começou bem, terminou em dificuldades, não realizou uma exibição de encher o olho, mas é um regresso que se saúda.

publicado por Frederica às 20:02
link do post | comentar