Ruben Amorim na Conferência de Imprensa

  • Conferência de Imprensa

 

© Isabel Cutileiro

 

O Benfica está no segundo lugar da Liga, e ainda não perdeu qualquer jogo na competição, mas as exibições ainda não alcançaram um nível regular. A equipa de Quique Flores vai alternando dias de gala com exibições cinzentas, mas Ruben Amorim lembra que o mais importante é vencer.

 

«Os campeões nem sempre jogam bem, mas no final ganham sempre. É isso que temos de fazer no Benfica. Nem sempre jogamos bem, mas somos uma equipa coesa e unida, e depois aparece alguém a resolver o jogo», disse o médio, em conferência de imprensa.

 

«Temos cinco meses de trabalho, com treinador novo e métodos novos. Temos ganho. Estamos no bom caminho. Há que continuar. Quando se poder juntar uma boa exibição a um bom resultado, ainda melhor», acrescentou ainda o jogador, questionado sobre a irregularidade exibicional da equipa.

 

Quique Flores começou por implementar um esquema de 4x4x2 tradicional, mas nos últimos dois jogos alternou para um esquema com losango a meio-campo. Ruben Amorim garante que se sente bem em ambas as versões, mas reconhece que está mais rotinado no esquema que tem sido utilizado mais recentemente. «Sinto-me perfeitamente capaz de fazer as duas funções. No Belenenses joguei sempre em losango. Depende também das ideias do treinador. Pode ser o mesmo sistema, mas depende do que o treinador quer», disse.

 

Ruben Amorim ainda não sabe se defronta a Académica, no próximo domingo. O médio esteve alguns dias entregue ao departamento médico, devido a uma lesão no joelho, mas em Coimbra espera voltar à equipa para não perder o comboio da titularidade.

 

«Estou a recuperar, a tentar apanhar o comboio de novo. Agora é recuperar a confiança nesta zona do joelho e estar apto o mais depressa possível», disse o médio, a propósito da lesão. «Ainda não sei se posso jogar. Depende também do departamento médico e da equipa técnica. Tudo farei para estar apto. Sinto ansiedade para voltar a jogar. Sentia-me em boa forma e não quero perder isso», acrescentou.

 

O desejo de regressar à competição o quanto antes é ainda reforçado pelo objectivo de assegurar a titularidade, numa altura em que a competitividade interna está cada vez mais intensa. «A vida é assim. O azar de uns é a sorte de outros. Vou fazer o meu trabalho, sabendo que o Benfica tem jogadores de grande qualidade, e vai continuar a ganhar», disse.

 

Em relação à Académica, adversário do próximo domingo, o médio avisa que «não há jogos fáceis». «Por vezes os jogos mais fáceis são os mais difíceis. Temos consciência de que vamos encontrar muitas dificuldades. O importante é ganhar. Se jogamos bem ou não, isso fica para depois», defendeu.

 

© Isabel Cutileiro

 

ELOGIOS DE UM TÉCNICO QUE VOLTA A SER FALADO EM ESPANHA

 

Bernd Schuster parece ter os dias contados no Real Madrid, e por isso alguma imprensa incluiu o nome de Quique Flores na lista de candidatos à sucessão do técnico germânico. Ruben Amorim assume que perder o técnico seria mau para a equipa, mas encara o assunto com normalidade.

 

«Soube de manhã. Comentaram comigo. É normal. Também já saiu que o Yebda ia para o inter. Dá confiança a toda a gente. O futebol é mesmo assim. Um dia estamos num local, e no dia a seguir estamos noutro. Sem dúvida seria uma grande perda», disse o médio.

 

Ruben Amorim tem sido, de resto, um dos elementos mais utilizados por Quique Flores. O técnico espanhol até já fez vários elogios ao médio, que recebeu tais palavras com agrado: «É a opinião que mais interessa. Fiquei contente, mas ele já disse isso de vários jogadores. Não tenho ilusões. É sinal de que está a gostar do meu trabalho.»

 

© GettyImages

 

Ruben Amorim desvalorizou a goleada sofrida pela Selecção Nacional na visita ao Brasil (6-2). O médio do Benfica elogiou a qualidade do «escrete», e conta que ainda antes do apito final já estava a ser «incomodado» por um colega de equipa.

 

«A Selecção apanhou um Brasil muito forte. Começou a sofrer golos e foi complicado parar aquelas estrelas todas. Mas o mais importante é a Suécia. Só vi até ao quinto golo, pois já tinha o David Luiz a chatear-me», confessou o jogador português em conferência de imprensa.

 

Amorim aproveitou ainda a oportunidade para dar os parabéns a Rolando, amigo e ex-colega no Belenenses, que foi convocado por Carlos Queiroz, embora a estreia tenha ficado adiada. «É um grande amigo e por isso fiquei muito contente. Merece, até porque está em vias de ser pai. Está a atravessar um bom momento na vida», disse o jovem médio do Benfica, que também ambiciona ser convocado para a equipa das quinas, embora não esteja obcecado com o assunto: «Depende das lesões, de como a equipa estiver. Tenho esse objectivo, mas não faço disso uma dor de cabeça.»

 

© João Trindade

 

A questão dos salários em atraso que afecta o futebol português, e em particular o plantel do Estrela da Amadora, mereceu um comentário do Ruben Amorim. O médio defendeu que os jogadores se devem unir para tomar uma atitude, tal como foi sugerido pelo colega Nuno Gomes, que deu o exemplo do que já aconteceu em Itália.

 

«Se os jogadores quiserem os jogadores são os principais intervenientes. Se fosse um mês mas todos os anos acontece o mesmo. Está na altura de os jogadores se unirem», disse o jovem médio português, em conferência de imprensa.

 

In: Maisfutebol

publicado por Frederica às 20:42
link do post | comentar