Por um apito...

  • Crónica

 

© Daylife

 

Mas que se passa? O primeiro lugar, outrora o mais desejado por todos, parece agora pouco atractivo. Primeiro foi o Sporting a desperdiçar a oportunidade de chegar lá à frente. Seguiram-se o Leixões e o F.C. Porto, que entregaram a liderança de bandeja ao Benfica. A fechar a ronda, a equipa de Quique Flores não conseguiu fazer melhor do que os adversários directos e também não foi além de um empate diante do Nacional.

 

O Benfica partiu para esta ronda, no início da semana, com uma missão bem delineada: vencer o Nacional para virar o ano no primeiro lugar. No entanto, os adversários directos baralharam tudo no fim-de-semana, entregando a liderança de mão beijada e diluindo o objectivo dos encarnados. O título de campeão de Inverno estava garantido e a possibilidade de reforçar a vantagem parece que nunca foi tónico suficiente para motivar os homens de Quique esta noite.

 

O Benfica até entrou determinado com um meio-campo de força, com Katsouranis e Yebda no miolo, Ruben Amorim sobre a direita e Di Maria a fazer de Reyes no lado contrário. Na frente, Cardozo voltou a ser primeira opção para fazer companhia a Suazo. Ao ritmo dos impulsos de Di Maria e apoiados nas constantes movimentações de Suazo e Cardozo na área, o Benfica parecia assumir o estatuto de líder diante de um Nacional que entrou na expectativa, recuado sobre a sua defesa.

 

No entanto, assim que o Nacional ganhou alguma confiança e tentou sair a jogar, colocou em evidência uma enorme lacuna no desenho dos encarnados. Havia um espaço enorme a separar Yebda e Katsouranis de Suazo e Cardozo. Uma clareira que os madeirenses souberam rentabilizar, organizando aí o seu jogo para a saída de rápidos contra-ataques. Com o Benfica partido em dois, o Nacional foi crescendo, fazendo descair o seu ataque sobre a esquerda, colocando Maxi em dificuldades. Num desses lances, os madeirenses invadiram o meio-campo encarnado numa proporção de quatro para dois. Valeu ao Benfica um corte precioso de Luisão a anular a ameaça.

 

© Daylife

 

Pelo meio, Quique foi obrigado a trocar Sidnei (lesionado) por Miguel Vítor, mas, ao intervalo, estava obrigado a mexer mais para corrigir a lacuna que parecia evidente. O técnico espanhol decidiu esperar mais alguns minutos e, por muito pouco, não pagou caro por isso. No primeiro lance do Nacional, os madeirenses trocam a bola na referida clareira, evoluíram em tabelinhas até libertarem Edson na área. O avançado atirou cruzado e Maxi, em carrinho, desviou para o poste. A bola esteve a escassos centímetros de se transformar em golo. Logo a seguir foi Ruben que surgiu destacado na área para, só com Moreira pela frente, atirar por cima.

 

Ilusão de Aimar, entra Nuno Gomes

 

A situação parecia estar a ficar incontrolável quando Quique chamou Aimar, animando desde logo as bancadas. Falso alarme. O argentino foi sentar-se no banco. No meio do caos, o Benfica quase chegou ao golo: Katsouranis levantou a bola para a área, Suazo amorteceu para a entrada de Ruben Amorim que, com as redes à disposição, atirou por cima. Logo a seguir, na sequência de mais um canto, forte cabeçada de Luisão a obrigar Bracali a grande defesa junto ao relvado. Mais um pontapé de Di Maria e as bancadas renderam-se, redobrando o apoio à equipa, mas no relvado persistiam os problemas.

 

© ActionImages

 

Foi então, aos 67 minutos, que Quique mexeu finalmente na equipa, prescindindo de Di Maria par reforçar o ataque com Nuno Gomes, mudando o desenho para um clássico 4x3x3. O buraco no meio foi, finalmente, preenchido, com Nuno Gomes a jogar nas costas dos avançados, e Ruben Amorim a aproximar-se mais de Katsou e Yebda. Mas os minutos corriam céleres e os encarnados jogavam mais com o coração do que com a cabeça. Já em tempo de descontos, o caso do jogo: Miguel Vítor caiu na área, foi atingido por uma bola na mão e Cardozo atirou a contar. Pedro Henriques, no entanto, não contou e marcou falta do central. O ano acaba, assim, com os quatro primeiros a fazerem cerimónia para se chegarem à frente.

 

In: Maisfutebol

 

Benfica: Moreira; Maxi Pereira, Luisão, Sidnei, Jorge Ribeiro; Ruben Amorim, Katsouranis, Yebda, Di María; David Suazo, Cardozo.

Ainda jogaram: Miguel Vítor (Sidnei, 29min), Nuno Gomes (Di María, 68min) e Urreta (Ruben Amorim, 84min).

Golos: nada a assinalar.

Cartões Amarelos: Katsouranis (43min), Yebda (47min).

Cartões Vermelhos: Nuno Gomes (final do jogo).

 

Nacional: Bracalli; Patacas, Halliche, Felipe Lopes, Alonso; Cléber Oliveira, Edson Sitta, Luiz Alberto, Ruben Micael; Nenê, Mateus.

Ainda jogaram: Juninho (Edson Sitta, 69min), Igor Pita (Ruben Micael, 75min) e Nuno Pinto (Mateus, 81min).

Golos: nada a assinalar.

Cartões Amarelos: Edson Sitta (32min), Alonso (45min e 78min), Cléber Oliveira (71min) e Luiz Alberto (87min).

Cartões Vermelhos: Alonso (78min, por acumulação de amarelos 45min e 78min).

 

  • Avaliações

 

© Maisfutebol

 

"Intermitente no seu desempenho, também não se entendeu com Di María e Suazo. Aos 62' falhou uma excelente ocasião de golo, após toque de Suazo. (2)", In: Record

 

"O jogo pedia um andamento mais elevado, mas o 15 esteve demasiado posicional. E, aos 62', ainda falhou aquela que foi, porventura, a melhor ocasião de golo das águias. (4)", In: O Jogo

 

  • Declarações

 

«Ninguém percebe o golo anulado»

 

© Miguel A. Lopes

 

Ruben Amorim, médio do Benfica, em declarações após o jogo com o Nacional, da 12ª jornada da Liga, que terminou num nulo. O árbitro Pedro Henriques anulou um golo aos encarnados já nos descontos, por alegada mão de Miguel Vítor:

 

«Não sei o que nos faltou, houve alguma precipitação na primeira parte, mas no segundo tempo jogámos bem, fizemos um golo que nem eu nem ninguém percebe porque é anulado. Temos muito a trabalhar para melhorar como equipa, mas estamos em primeiro.»

 

[Comentando o desempenho do árbitro] «Não ligo muito a isso porque não faz parte do meu trabalho. Não percebi o golo anulado, não se compreendem algumas situações. Assim é difícil, podíamos estar mais confortáveis na classificação»

 

[Sobre se há motivos para festejar, uma vez que o Benfica chega ao Inverno à frente] «Não ganhámos nada e há muito campeonato pela frente. Como se viu esta jornada, a Liga é forte e equilibrada. Estando em primeiro, temos vantagem sobre os outros.»

 

In: Maisfutebol

publicado por Frederica às 14:04
link do post | comentar