Benfica sofre mas vence (2-1) Leixões

  • Crónica

 

© GettyImages

 

O Benfica cumpriu a sua missão, venceu o Leixões (2-1), e vai ficar agora à espera do desfecho do clássico do Dragão, para saber de que lado tira partido. O Leixões voltou a ser digno, mas não conseguiu fazer história. À vitória no Dragão e em Alvalade, não se seguiu outra surpresa na Luz. Um autogolo de Élvis abriu caminho a um triunfo muito suado das «águias», que acabaram com dez elementos e em sofrimento. 

 

O Benfica entrou em campo disposto a mostrar que as feridas da derrota com o rival já tinham sarado. Sem o castigado Yebda e o lesionado Suazo, Quique Flores colocou (finalmente) Ruben Amorim no miolo e juntou Reyes e Di María na equipa titular. Com Aimar e Cardozo também em bom plano nos minutos iniciais, o futebol ofensivo das «águias» não tardou a apresentar melhorias, comparativamente aos últimos jogos.

 

As melhorias acabariam mesmo por dar frutos, nem tardou muito, ainda que com autor improvável. Reyes cruzou da esquerda e um outro rei, Élvis, estreou-se a marcar na Liga, ainda que no lado errado. O central do Leixões, com Cardozo a pressionar nas costas, desviou para a sua baliza o cruzamento do espanhol (16m).

 

Logo a seguir o Benfica esteve perto de aumentar a vantagem, com um belo pormenor de Luisão, a fazer pontapé de bicicleta dentro da área, mas a bola a passar a milímetros do poste (22m). O lance, contudo, assinalou uma quebra no ímpeto inicial do Benfica. Mérito também do Leixões, claro, que subiu no terreno e aproximou-se da baliza de Moreira, ainda que sem conseguir grande objectividade na hora de mirar a baliza. Também por isso José Mota decidiu, ainda antes do intervalo, tirar Braga para ganhar uma referência ofensiva: Rodrigo Silva. Quique Flores também mexeu no «onze», mas forçado a tal. Ruben Amorim lesionou-se e foi rendido por Carlos Martins.

 

© GettyImages

 

O trunfo do banco e o dilema das vantagens folgadas

 

O segundo tempo começa com o Benfica de novo por cima, e com Reyes a ter oportunidade de marcar, valendo ao Leixões a intervenção de Beto (47m). Desta vez, contudo, o «pressing» encarnado durou menos e a equipa visitante voltou a crescer, à procura do empate. Diogo Valente surgiu solto à entrada da área, aos 57 minutos, mas a bola fugiu-lhe para o pior pé, o direito, e a oportunidade perdeu-se.

 

Quique percebeu que era preciso mexer na equipa e tirou Reyes, para a entrada de Nuno Gomes. Numa altura em que ainda se discute o processo de renovação do 21, este deu a melhor resposta possível. Sete minutos depois de ter entrado, Nuno Gomes aproveitou um cruzamento de Cardozo (de pé direito!), e de cabeça fez 2-0.

 

Com dois golos de vantagem, Quique Flores decidiu lançar Balboa, mas esqueceu-se de algo que ele próprio já tinha alertado. O Benfica gere mal vantagens de dois golos. E a quinze minutos do fim Rodrigo Silva marcou para o Leixões. Para além disso, logo a seguir Carlos Martins saiu lesionado. O Benfica tinha de segurar o triunfo com apenas dez elementos.

 

Os últimos minutos foram de muitos nervos, até nos bancos, mas o Benfica lá conseguiu segurar três pontos preciosos, e evitar que o Leixões fizesse história, como a primeira equipa a ganhar na casa dos três «grandes», na mesma temporada.

 

In: Maisfutebol

 

© Record

 

Benfica: Moreira; Maxi Pereira, Luisão, Miguel Vítor, David Luiz; Di María, Katsouranis, Ruben Amorim, Reyes; Aimar, Cardozo.
Ainda jogaram: Carlos Martins (Ruben Amorim, 37min), Nuno Gomes (Reyes, 60min), Balboa (Di María, 72min).
Golos: Elvis (19min, p.b.), Nuno Gomes (67min).
Cartões Amarelos: Miguel Vítor (36min), Carlos Martins (37min).
Cartões Vermelhos: -

 

Leixões: Beto; Laranjeiro, Nuno Silva, Elvis, Brayan Angulo; Roberto Souza, Bruno China, Hugo Morais; Zé Manel, Braga; Diogo Valente.
Ainda jogaram: Rodrigo Silva (Braga, 40min), Jean Sony (Zé Manel, 61min), Chumbinho (Bruno China, 78min).
Golos: Rodrigo Silva (74min).
Cartões Amarelos: Jean Sony (71min), Chumbinho (85min).
Cartões Vermelhos: -

 

  • Avaliações

 

 

"Entrou a jogar numa posição mais interior, junto a Katsouranis. Meia hora interessante, oferecendo consistência ao meio-campo. Saiu lesionado. (2)", In: Record

 

"De volta à posição de origem (zona central do meio-campo), esteve bem até o azar lhe bater à porta e sair lesionado (35'). (5)", In: O Jogo

 

  • Curiosidades

 

Azar de Ruben e Martins

 

 

Não teve sorte Ruben Amorim no regresso à sua posição de origem, médio-centro. O ex-jogador do Belenenses lesionou-se ainda no decorrer da primeira parte, tendo de ser substituído aos 37 minutos por Carlos Martins. E também este sofreu uma lesão muscular e abandonou o relvado aos 72 minutos, deixando a equipa com dez elementos, uma vez que Quique Flores já tinha feito as três substituíções. Os dois jogadores serão esta manhã reavialiados pelo departamento médico. No caso de Ruben Amorim, este era um jogo especial por ser apenas a segunda vez - depois do jogo com o Penafiel, para a Taça de Portugal - que começava uma partida a jogar no centro do meio-campo, zona onde se destacou no Belenenses. Quique tem preferido colocá-lo a jogar a extremo-direito, mas está a mudar.

 

In: O Jogo

 

FORÇA RUBEN!

publicado por Frederica às 22:20
link do post | comentar