Benfica é derrotado (3-1) na Choupana

  • Crónica

 

 

© Record

 

Depois de saber que o Sporting tinha empatado em Coimbra, o Benfica não conseguiu arranjar forças e talento para vencer na Choupana. O Nacional, com enorme acerto, deu um «bailinho» e mereceu a vitória. Dessa forma, os madeirenses estão cada vez mais da Europa e agora até sonham com o terceiro lugar. E Nenê continua a facturar.

 

Nacional e Benfica já conheciam os resultados dos seus adversários mais directos: Sporting e Braga tinham empatado. Assim, pensou-se que os lisboetas viriam com motivação extra e que os madeirenses mais em contenção.

 

Manuel Machado montou o seu onze habitual, colocando Cléber como terceiro central num 3x1x4x2. Quique Flores deixou Di Maria no banco e apostou num 4x4x2, com Katsouranis de volta aos titulares junto de Ruben Amorin, Carlos Martins e Reyes.

O sinal mais pertenceu aos locais que logo aos sete minutos após uma boa combinação entre Nené e Mateus este rematou forte para defesa de Quim.

 

Dando continuidade ao seu maior acerto e aproveitando um deslize de Sidnei, Alonso perdeu a melhor situação da primeira parte aos 11 minutos. Sidnei escorregou e perdeu para o alvinegro e este já na pequena área não assistiu Mateus, fazendo depois um cruzamento remate rasteiro e que Mateus já não conseguiu desviar.

 

Os encarnados não conseguiam ultrapassar a barreira alvinegra e Bracalli era um mero espectador. Até que aos 32 minutos, num bom trabalho individual, David Luíz rematou à entrada da área e viu Bracalli voar e desviar para canto na primeira grande defesa da noite.

 

Até ao intervalo apenas mais dois lances. O primeiro aos 39 minutos, com Cardozo a rematar de longe, obrigando Bracalli a socar a bola. Depois, Jorge Sousa e o seu auxiliar assinalaram mal um fora-de-jogo a Mateus aos 43 minutos, quando este se isolava.

 

© Daylife

 

Di María entra e Nenê marca

 

O recomeço não trouxe novidades. Os dois técnicos não mexeram nas suas equipas. E quanto ao jogo em si, também nada de novo. O Nacional bem a defender e espreitando as transições rápidas perante um Benfica lento e desinspirado. Nenê tentou a sua sorte aos 52 minutos rematando de muito longe mas Quim estava atento e desviou bem.

 

Os benfiquistas responderam aos 54 minutos, uma vez mais por Cardozo, que rematou forte e viu Bracalli desviar em voo para canto. Mas num lance de contra-ataque, Alonso fez uma grande assistência para Nenê e este, de cabeça, não perdoou, abrindo o activo.

 

© Daylife

 

E de novo Bracalli

 

O Benfica reagiu ao golo sofrido e ao minuto 58, por duas vezes viu Bracalli a evitar o empate. Primeiro foi Nuno Gomes que na área pequena, só frente ao guarda-redes, rematou para defesa deste e na sequência do lance, Maxi Pereira de longe com mais um remate forte que o brasileiro voltou a segurar.

 

Quando parecia que os homens da Luz estavam a crescer, uma vez mais em transição rápida, após um bom passe de Mateus, Ruben Micael surge na zona frontal da baliza de Quim e de fora da área com um grande remate bate o guarda-redes encarnado, aos 64 minutos.

 

Pensou-se que a turma da Luz viria por água abaixo. Mas não. Acreditando que ainda era possível dar a volta ao jogo, após um bom passe de Maxi Pereira, Reyes consegue finalmente bater Bracalli e reduzir para 2-1 aos 68 minutos. Estava relançado o jogo.
Os pupilos de Manuel Machado acusaram o golo e viram David Luiz rematar à barra aos 73 minutos para desespero do defesa brasileiro.

 

Até ao final a partida entrou em toada mais morna para os madeirenses que foram defendendo a preciosa vantagem com unhas e dentes. O Benfica não acertava o passo e jogava mais com o coração do que com imaginação.

 

© Daylife

 

Nacional: Bracalli; Patacas, Felipe Lopes, Maicon, Alonso; Cléber, Luís Alberto, Leandro Salino, Ruben Micael; Mateus, Nené.
Ainda jogaram: João Aurélio (Ruben Micael, 79min), Fabiano (Mateus, 87min), Miguel Fidalgo (Nené, 90min).
Golos: Nené (56min), Ruben Micael (64min), Miguel Fidalgo (90+4min).
Cartões Amarelos: Leandro Salino (61min).
Cartões Veremelhos: -

 

Benfica: Quim; Maxi Pereira, Miguel Vítor, Sidnei, David Luiz; Katsouranis, Ruben Amorim, Carlos Martins, Reyes; Nuno Gomes, Cadozo.
Ainda jogaram: Di María (Katsouranis, 56min), Yebda (Carlos Martins, 80min), Urreta (Nuno Gomes, 83min).
Golos: Reyes (68min).
Cartões Amarelos: Miguel Vítor (87min), Yebda (89min).
Cartões Vermelhos: -

 

  • Avaliações

 

 

"Assinou o primeiro remate das águias (6'), mas perdeu-se no vazio de um milo sem dono. (2)", In: Record

 

"De novo à direita, por força da ausência de Aimar e do regresso de Katsouranis, procurou carrilar jogo. Voltou ao meio após entrada de Di María e, aí sim, cresceu. Fez o passe, de calcanhar, para o golo de Reyes. (6)", In: O Jogo

publicado por Frederica às 19:37
link do post | comentar