Benfica brilha e convence na apresentação aos sócios

  • Crónica

 

© Alvaro Isidoro

 

«Amo-te Benfica.» Este é o mote do clube da Luz para 2008/09. Pelo que se assistiu em campo frente ao Feyenoord, os encarnados poderão ter motivos para proferir várias vezes o mote escolhido para a nova época. Para além do golo de Cardozo, que garantiu o triunfo frente aos holandeses, assistiu-se a um Benfica que começa a ganhar identidade própria.

 

Numa equipa ainda em construção, fica a ideia que no Benfica de Quique Flores vários reforços têm lugar (quase) garantido. Para o primeiro jogo no Estádio da Luz, o técnico espanhol escolheu um onze com cinco contratados: Yebda, Carlos Martins, Ruben Amorim, Urretaviscaya e Aimar. E foram eles que estiveram mais em evidência.

 

Na defesa as caras são bem conhecidas e todos transitam da época passada. Quim na baliza, Maxi Pereira o eleito para lateral-direito e Katsouranis o preferido para formar dupla com Luisão. Léo, esse, continua de «pedra e cal» na esquerda. Daqui para a frente tudo mudou, à excepção de Cardozo.

 

Petit deverá ser facilmente esquecido, pois Yebda dá mostras que poderá mesmo ser dele o lugar de médio-defensivo, apesar de ter características diferentes. Já Carlos Martins foi o principal responsável pelas transições do Benfica até ao ataque, repetindo vezes sem conta jogadas a rasgar entre o central e o lateral-direito do Feyenoord, fazendo a bola chegar aos pés de Urreta.

 

O jovem uruguaio tem bom toque de bola. Na esquerda, este quase desconhecido de 18 anos movimentou-se bem, rápido, não desistiu dos lances e mostrou que sabe jogar bonito, mas falta-lhe ganhar estaleca. É normal. Ainda esta a assentar poiso em Portugal e no Benfica.

 

Numa equipa que jogou de forma compacta, a defender bem e a ter jogadores rápidos na frente, o Benfica não deixou o Feyenoord jogar. Controlou sempre o jogo, só não conseguiu marcar na primeira parte. Aimar apareceu a espaços e quando se libertou da posição fixa na frente, a servir Cardozo, espicaçou o jogo. O paraguaio ainda atirou ao poste e obrigou Henk Timmer a voar para a melhor defesa do jogo.

 

Benfica: Quim; Maxi Pereira, Luisão, Katosuranis e Léo; Yebda, Ruben Amorim, Carlos Martins, Urretaviscaya; Aimar e Cardozo.
Jogaram ainda: Sidnei, Balboa, Nuno Gomes, Makukula, Nelson, Bynia, Fellipe Bastos, Reyes, Miguel Vitor, Jorge Ribeiro.

Golos: Cardozo (69min)

Cartões Amarelos: Maxi Pereira (56min).

Cartões Vermelhos: nada a assinalar.

 

Feyenoord: Henk Timmer; André Bahia, Tim De Cler, Denny Landzaat, Giovanni van Bronckhorst, Luigi Bruins, Jon Dhal Tomasson, Michael Mols, Serginho Greene; Ron Vlaar e Greorgino Wijnaldum.
Jogaram ainda: Danny Buijs, Leroy Fer, Diego Biseswar.

Golos: nada a assinalar.

Cartões Amarelos: Buijs (76min).

Cartões Vermelhos: nada a assinalar.

 

In: Maisfutebol

© Alvaro Isidoro

 

  • Momentos

 

"2' ISOLADO: Apenas com o guarda-redes pela frente, Ruben Amorim atira ao lado, ainda o jogo não tinha aquecido. Estava frio?", In: Record

 

  • Avaliações

 

"Um grande lance individual aos 2', no qual se isolou para depois atirar por cima. Está a conquistar o seu espaço. Cruzamento espectacular (44') para a cabeça de Aimar. (3)", In: Record

 

"Logo aos 2 minutos, pegou na bola no meio-campo e deu por si isolado. Talvez deslumbrado, disparou por cima. Esteve bem no passe, servindo de exemplo um excelente cruzamento para Aimar (44'). Voltou a deixar indicações positivas.", In: O Jogo

publicado por Frederica às 17:51
link do post | comentar