Primeiro dérbi da época divide pontos em Alvalade

  • Crónica

 

© Sapo Desporto 

 

O novo Sporting de Carlos Carvalhal travou o ímpeto do Benfica de Jorge Jesus na Liga, num jogo sem golos e que pouco veio a acrescentar à centenária história do «derby eterno». O visível crescimento dos leões, bem mais competitivos, chocou com uma águia apática que desiludiu muitos daqueles que esperavam mais uma caminhada triunfal da equipa da equipa da Luz.

 

Carlos Carvalhal, depois de ter experimentado um 4x3x3 e um 4x4x2 na Taça, recuperou o «velhinho» 4x2x3x1 que tantas alegrias deu ao Sporting no passado, juntando João Moutinho e Adrien à frente da defesa e atrás de um trio composto por Vukcevic, Matias e Veloso no apoio directo a Liedson. Os leões assimilaram bem o novo sistema e entraram muito bem no jogo, com Matias, Adrien e Moutinho a exercer constante pressão sobre a bola. Duas percas de bola de Javí Garcia na zona central proporcionaram as primeiras oportunidades e revelavam um leão renascido.

 

O Benfica demorou mais tempo a entrar no jogo, apesar de ter conquistado quatro pontapés de canto nos primeiros minutos da partida. A verdade é que o primeiro remate dos encarnados só chegou aos catorze minutos, com Saviola a abrir para Cardozo que, sobre a esquerda e pressionado por Carriço, atirou ao lado. Uma oportunidade isolada num jogo sem fio, apenas com Ramires a conseguir abrir espaços nas costas de Caneira. No entanto, Jorge Jesus cortou as iniciativas do brasileiro, pedindo a Aimar para se ocupar da ala direita. O Benfica ganhou consistência na zona central, mas perdeu profundidade nas alas.

 

© Sapo Desporto 

 

Os encarnados conseguiam, agora, atacar em bloco, provocando calafrios na área dos leões em lances de bola parada, mas as duas melhores oportunidades, até ao intervalo, pertenceram ao Sporting, primeiro com uma cabeçada de Polga, na sequência de um canto, depois com um remate à queima-roupa de Liedson depois de ter ultrapassado David Luiz com um pormenor de classe. Com o jogo mais equilibrado, Carlos Carvalhal sofreu o primeiro revés antes do intervalo, com Abel a sair lesionado e a ceder o lugar a Pedro Silva.

 

A segunda parte começou equilibrada, com um jogo morno de parte a parte. David Luiz, sem espaços, atirou de longe, o Sporting respondeu com um remate de Pedro Silva ao lado, mas nada eu aumentasse o entusiasmo dos adeptos. Saviola ainda acertou na trave, depois de ter sido assinalada a sua posição irregular, mas foi Miguel Veloso que levantou finalmente as bancadas, com um pontapé do meio da rua que obrigou Quim à defesa da noite. O Sporting ganhava novo ânimo diante de um Benfica que não conseguia arrancar para aquelas noites fulgurantes de ataque continuado.

 

© Sapo Desporto 

 

Aimar nem no meio, nem sobre a direita e, sem o argentino, o Benfica não tinha quem assumisse a gestão do jogo. Jesus tentou emendar a mão, lançando Ruben Amorim para a contenda em detrimento de Aimar. O Sporting ganhava confiança, subia no terreno, mas também cedia mais espaços ao Benfica. Num rápido contra-ataque, Di Maria surgiu destacado na área, mas atirou à figura de Patrício. Ruben Amorim também apareceu no lado contrário, mas também acertou no guarda-redes do Sporting. Carvalhal trocou Matias por Bruno Pereirinha quando o jogo estava mais aberto e as oportunidades eram, agora, mais claras. Miguel Veloso, num livre, atirou contra a barreira, e Cardozo, a cruzamento de Peixoto, cabeceou ao lado.

 

Mas tudo acabou como começou, sem golos. Pela primeira vez, um derby com treinadores portugueses acaba com um empate. Um resultado que não interessa nem ao Sporting, que continua muito longe do topo, nem ao Benfica que pode voltar a deixar fugir o Sp. Braga no topo, além de permitir a aproximação do F.C. Porto.

In: Maisfutebol

 

© Sapo Desporto 

 

Sporting: Rui Patrício; Abel, Daniel Carriço, Polga, Caneira; Adrien Silva, João Moutinho; Vukcevic, Matías Fernandez, Miguel Veloso; Liedson.
Ainda jogaram: Pedro Silva (Abel, 45min), Bruno Pereirinha (Matías Fernandez, 74min), Postiga (Vukcevic, 85min).
Golos: -
Cartões Amarelos: Polga (29min), Adrien Silva (52min), Miguel Veloso (69min).
Cartões Vermelhos: -

 

Benfica: Quim; Maxi Pereira, Sidnei, David Luiz, César Peixoto; Javí Garcia; Ramires, Pablo Aimar, Di María; Saviola, Cardozo.
Ainda jogaram: Ruben Amorim (Pablo Aimar, 68min), Miguel Vítor (Sidnei, 78min), Fábio Coentrão (Saviola, 86min).
Golos: -
Cartões Amarelos: Di María (45min), Javi García (70min), David Luiz (77min).
Cartões Vermelhos: -

 

  • Avaliações

 

 

"Foi a primeira solução de Jorge Jesus, que apostou no rigor táctico do camisola 5 para tentar desequilibrar o dérbi. Com ele em campo, Ramires ganhou maior liberdade ofensiva e isso foi evidente na recta final da partida. Segundo, fortaleceu o meio-campo e aos 75' ainda ameaçou Patrício, mas o remate acabou por sair à figura do guardião sportinguista. (2)

Km percorridos: 2,3

Velcocidade média: 7", in: Record

 

"Entrou muito bem no jogo, segurando a bola com eficácia e libertaqndo-se bem para o ataque. Também podia ter marcado, num remate isolado que saiu a figura de Rui Patrício (75'). (6)", In: O Jogo

publicado por Frederica às 20:17
link do post | comentar