À 3ª foi de vez!

  • Crónica

 

© Daylife

 

Sete golos servem para adjectivar um jogo de futebol com um bom espectáculo? Quem passou pela Mata Real terá as suas dúvidas, face ao cúmulo de erros, mas fica o registo inusitado no cenário actual, na primeira vitória do Benfica na Liga 2008/09. Igualdade pontual com o F.C. Porto, menos quatro que os líderes Nacional e Sporting, e um derby ali à porta. O P. Ferreira correu sempre atrás do prejuízo, mas perdeu o empate nas mãos de Quim, ao quinto minuto do período de compensação (3-4).

 

Quique Flores defrontou o F.C. Porto com Quim, Maxi Pereira, Luisão, Katsouranis, Léo, Dí Maria, Carlos Martins, Yebda, Reyes, Aimar e Cardozo. Segue para Nápoles com Quim, Maxi Pereira, Sidnei, Luisão, Léo, Reyes, Carlos Martins, Yebda, Urreta, Di Maria e Suazo. E, poucos dias depois, apresenta-se na Mata Real com Quim; Maxi Pereira, Sidnei, Miguel Vítor e Jorge Ribeiro; Ruben Amorim, Carlos Martins, Yebda e Reyes; Nuno Gomes e Cardozo. Procure as semelhanças.

 

O treinador espanhol multiplica-se em experiências, em recursos devido a lesões ou castigos, retardando a definição de um padrão para o Benfica 2008/09. Em três jogos oficiais, a equipa acumulou dois empates na Liga e uma derrota na Taça UEFA. Apagar este registo com esta vitória na Mata Real soa a entusiasmo precoce. E extremamente perigoso.

 

O cúmulo do erro

 

O Benfica teve um adversário agridoce para lançar o derby com o Sporting. O P. Ferreira acumulou erros defensivos, apresentou fragilidades a defender e abriu corredores nos flancos, convidando à investida pronta dos encarnados. Reyes foi o primeiro a agradecer o espaço, cruzando de forma tensa para o regressado Nuno Gomes. Festa rija na Mata Real, com maioria de adeptos benfiquistas.

 

Em treze minutos, Reyes mostrou duas faces, em duas assistências para golo. Após lance de bola parada, o espanhol sacou uma rosca e colocou a bola ao alcance de Ozeia. Bomba do central brasileiro, desvio em Sidnei e novo empate no marcador. O jogo prometia.

 

De erro em erro, passe errado em passe errado, o espectáculo arrastou-se até à meia-hora. Maxi Pereira, que arriscara sanção mais pesada após entrada dura sobre Leandro Tatu, subiu até à área contrária e desfez a igualdade, após cabeceamento de Nuno Gomes (o melhor parceiro para Cardozo, pelo que demonstrou) e defesa incompleta de Bruno Conceição. Sem capacidade para pegar no jogo a meio-campo, a formação pacense acumulou constrangimentos e entregou os pontos numa grande penalidade despropositada. Tiago Valente atira-se com os braços no ar, Bruno Paixão não hesita, Cardozo também não. Conversão eficaz e vitória ali tão perto.

 

© Daylife

 

Táctica por um canudo

 

O Benfica apresentara novidades como Jorge Ribeiro (golo), Ruben Amorim (serenidade à direita), Cardozo (golo) e Nuno Gomes (golo). Modelo semelhante, com entrosamento mais eficaz na frente de ataque. Lá atrás, a aflição do costume, sem devido aproveitamento do P. Ferreira. Paulo Sérgio apostara em Filipe Anunciação para marcar o segundo homem do ataque encarnado, adiantando Paulo Sousa e Pedrinha, mas a eficácia não saiu do papel.

 

Ao intervalo, o treinador da equipa pacense baralhou para voltar a dar. Central sacrificado, lateral para o eixo, trinco para o lado direito da defesa. Tudo ou nada, frente a um Benfica imutável. A gestão do plantel tornava-se desnecessária, Quique mudara meia equipa logo a abrir, mas não estaria a contar com um período menos feliz de Quim. Com uma hora de jogo, o guarda-redes largou a bola em zona proibida e devolveu a emoção ao encontro. Rui Miguel reduziu para a diferença mínima, Jorge Ribeiro serenou os ânimos à bomba e William prendeu os espectadores às cadeiras, ao minuto 85. Final de loucos.

 

In: Maisfutebol

 

Paços de Ferreira: Bruno Conceição, Ricardo, Ozeia, Tiago Valente, Chico Silva, Paulo Sousa, Pedrinha, Filipe Anunciação, Edson, Leandro Tatu e William.

Ainda jogaram: Rui Miguel (Tiago Valente, 45+1min), Cristiano (Filipe Anunciação, 70min) e Filipe Gonçalves (Edson, 80min).

Golos: Ozeia (13min), Rui Miguel (63min) e William (86min).

Cartões Amarelos: Tiago Valente (43min), Filipe Anunciação (54min), Rui Miguel (62min) e Leandro Tatu (90min).

Cartões Vermelhos: nada a assinalar.


Benfica: Quim, Maxi Pereira, Sidnei, Miguel Vítor, Jorge Ribeiro, Yebda, Ruben Amorim (Balboa, 77), Carlos Martins, Reyes (Di Maria, 89), Nuno Gomes (Pablo Aimar, 69) e Cardozo.
Ainda jogaram: Pablo Aimar (Nuno Gomes, 69min), Balboa (Ruben Amorim, 77min) e Di María (Reyes, 89min).

Golos: Nuno Gomes (7min), Maxi Pereira (31min), Cardozo (44min, g.p.) e Jorge Ribeiro (76min).

Cartões Amarelos: Maxi Pereira (28min), Nuno Gomes (57min) e Quim (94min).
Cartões Vermelhos: nada a assinalar.

 

© Daylife

  • Avaliações

 

"Jogou à direita, procurando dar mais segurança e músculo defensivo à equipa; destacou-se também na ocupação de espaços e teve várias intervenções importantes: abriu bem par a Nuno Gomes, no golo de Maxi, e ganhou o pelálti que Cardozo converteu. (3)", In: Record

 

"Procurou sempre ajudar a controlar as operações no miolo do terreno, mas não se ficou por aí e mostrou a sua boa visão de jogo diversas vezes. Como no lance do 2-1, em que descobriu Nuno Gomes isolado nas costras da defesa do Paços de Ferreira. Teve o mérito de arrancar o penálti para o 3-1. (6)", In: O Jogo

 

"Ruben Amorim, bem a fazer jogar

Na retina ficou a abertura excelente que permitiu a Nuno Gomes cabecear com perigo para a recarga vitoriosa de Maxi Pereira. O médio foi excelente a levantar a cabeça e colocar a bola no sítio certo. Mas Ruben Amorim foi muito mais do que isso. Trabalhou imenso, recuperou bolas, deu largura ao futebol e entregou sempre bem a bola.", In: Maisfutebol

 

"Ruben Amorim – Mais que uma “formiga”
Mais do que um mero trabalhador, Ruben Amorim voltou a mostrar que não estranha actuar no lado direito do meio-campo, revelando-se um misto de extremo e de médio interior. Assim, além de ter-se revelado fundamental no enriquecimento defensivo do miolo, pautou a sua exibição pela capacidade criativa, tendo sido do seu pé direito que nasceram os segundo e terceiro golos benfiquistas.
", In: SLBenfica.pt

  • Curiosidades

 

Ruben Amorim foi titular pela segunda vez esta época em jogos da Liga e está agora apenas a um de atingir a centena entre a elite.

publicado por Frederica às 23:20
link do post | comentar