À tangente, o primeiro soma e segue (1-0)

  • Crónica

 

 

© Daylife

 

Pela lei do Tacuara. Novo derby em Lisboa, que começou como acabara o último, com Cardozo a confirmar a melhor época no Benfica e uma equipa que deixou aproximar-se mais pelo Belenenses do que o oposto. A tarde na Luz começou solarenga, a noite terminou em vitória, mas o desempenho encarnado foi um lusco-fusco. Houve algumas oportunidades falhadas, mas também existiu apatia a mais num Benfica pouco brilhante e muito lento, mas que segue líder graças a um triunfo numa partida que surpreendeu pelo incómodo.

 

Marcar cedo e cedo adormecer. Assim se resumiu o primeiro tempo. O Benfica madrugou para o golo, mas deitou-se no sofá, de seguida, a assistir às incidências de 45 minutos em que sofreu algumas ameaças belenenses, sem que estas tenham causado dano. O golo de Cardozo juntou de vez o paraguaio com os adeptos, depois do penalty de Setúbal e o 4-1 em Alvalade. O Benfica chegou facilmente à vantagem, tão fácil mesmo quanto pareceu. O cruzamento de Ramires foi bem colocado e o Tacuara festejou pela 23ª vez esta época, em todas as provas. Estava dado o mote, pairava a ideia de possível goleada, com o 1-0 aos dez minutos. Só que este Benfica deixou de ser exuberante e nem se pode dizer que tenha sido pragmático. Foi, isso sim, sonolento e, desse modo, a vantagem era mínima no descanso.

 

Pelo meio, um desastrado Fajardo, que teve a sorte de ficar na cara de Quim. Atirou ao lado, mas o aviso devia ter servido para isso mesmo: alertar as águias. Talvez por estranhar a hora do encontro, tão raro para os lados da Luz, o Benfica embalava para uma sesta. Havia assobios na Luz, que despertaram a irreverência de Fábio Coentrão e Saviola, que combinavam para uma oportunidade desperdiçada pelo português. Ao intervalo, era preciso energia aos encarnados.

 

 

© Daylife

 

Weldon, depressa e bem não há muitos

 

Jorge Jesus percebeu que necessitava de rapidez. Lançou Weldon, que trouxe tanto de velocidade, como de atrapalhação. O dia virava noite, Carlos Martins tornava-se Aimar, mas a estranha lentidão apoderava-se do Benfica dentro das quatro linhas, porque fora dele, as gargantas vermelhas puxavam pela equipa. Quase teve efeito, não fosse Weldon desperdiçar o golo nas mãos de Bruno Vale. As mesmas mãos que, depois de David Luiz causar um calafrio a Quim, impediram o bis de Cardozo, fora da área. Expulsão certa e Belenenses com dez.

 

Nem isso, porém, despertou o Benfica, que desde os dez minutos, quando fez o 1-0, decidiu sentar-se na liderança e esperar pelo resto do filme, desta jornada e da próxima. Ia tendo um acordar violento, diga-se, mesmo antes do apito final, com Mano a disparar uma bomba na Luz, que não caiu, mas abanou, não só pelo perigo, mas também pela exibição descolorida de um Benfica mais próximo do de Setúbal que aquele que bateu o Sporting em Alvalade. Descansa na liderança, para já, mas que o momento, e o desempenho, sejam também de alguma reflexão.

In: Maisfutebol

 

 

© Daylife

 

Benfica: Quim; Maxi Pereira, Luisão, David Luiz, César Peixoto; Javi García; Ramires, Pablo Aimar, Fábio Coentrão; Saviola, Cardozo.
Ainda jogaram: Weldon (César Peixoto, 46min), Carlos Martins (Pablo Aimar, 62min), Ruben Amorim (Saviola, 70min).
Golos: Cardozo (10min).
Cartões Amarelos: -
Cartões Vermelhos: -

 

Belenenses: Bruno Vale; Mano, Devic, Marcos António, Tiago Gomes; Celestino, Gabriel Gómez, Barge; Fajardo, Lima, André Almeida.
Ainda jogaram: Yontcha (Fajardo, 58min), Zé Pedro (Barge, 67min), Assis (Celestino, 79min).
Golos: -
Cartões Amarelos: Barge (61min).
Cartões Vermelhos: Bruno Vale (78min).

publicado por Frederica às 22:29
link do post | comentar