Mais equilíbrio e menos risco

  • Antevisão

 

© Isabel Cutileiro

 

Na proposta de Quique Flores há uma forte lufada de ar fresco - nos métodos, no estilo e até no modo como a equipa evolui em campo. Mas aconselha o bom senso que, para já, se resguarde mais do que fez em Nápoles, por exemplo. Quando aposta em Urreta e Balboa (que dão profundidade na direita) em detrimento de Ruben Amorim (que procura a bola, dá equilíbrio estrutural e ajuda em zonas interiores), percebe-se a intenção. O problema é que a equipa sente-se mais confortável correndo menos riscos.

 

Por: Rui Dias, Sexto Sentido;

Record.

publicado por Frederica às 17:58
link do post | comentar